jusbrasil.com.br
3 de Dezembro de 2021

Advogados que roubam clientes de seus Colegas

Paulo Antonio Papini, Advogado
Publicado por Paulo Antonio Papini
há 2 meses

Para algumas pessoas é uma espécie de padrão. Sabe aquele amigo[a] que está sempre a paquerar alguém casado ou que já está comprometido? Então, acontece o mesmo no mercado da Advocacia, e acredito que em outras áreas profissionais também.

Certas pessoas têm um verdadeiro tesão em tirar dos outros. Não em conquistar algo para si, mas, sobretudo, tirar dos outros. Trabalhei, certa vez, com um profissional que tinha, infelizmente, esse péssimo hábito.

Era mais ou menos assim: se você virasse para ele e dissesse, "Dr. Fulano, temos um cliente novo que quer pagar um caminhão de dinheiro para o escritório...", muitas vezes ele atendia com desdém, quase que com sono, aquele novo cliente. Mas bastava que alguém dissesse que o cliente em questão tinha outro Advogado que seus olhos brilhavam e ele corria para aquele serviço/cliente.

Ainda que a ação fosse uma porcaria e pagasse 500 Pesos Argentinos, parcelados em 20 cheques, com o primeiro para 90 dias.

Obviamente que a vida, graças a Deus, me afastou de gente assim. Claro que, certa vez, ele tentou roubar um cliente meu; ação grande. Quando, devidamente informado, das graves consequências jurídicas que sofreria se pegasse aquele processo ele deu uma de sonso e retrocedeu.

Obviamente que quem vive pela espada, também morre pela espada. Um profissional que com ele trabalhou saiu de seu escritório e levou consigo um de seus principais clientes.

Daí, esse cliente, confiando horrores no seu novo Advogado esqueceu-se que seu defensor traiu aquele que lhe deu emprego. Resultado, esse profissional falsificou ações inexistentes para firmar acordos inexistentes. Deu uma fraude de uma pequena fortuna na empresa.

Desculpem, amigos, mas tem que ser muito tonto para namorar a moça que traiu o namorado contigo. Sério que só você se acha o bam-bam-bam...? Quem traí a confiança alheia costuma agir assim com todos, indistintamente.

Bem, aquele cliente em questão tomou um golpe de alguns milhões de reais. Muitos, na verdade.

Voltemos aos Advogados que roubam clientes de colegas. Isso é o que de mais deplorável há na Advocacia. Claro que há subgrupos, Advogados (por que estou me referindo a esses pústulas com letras maiúsculas?) que vão trabalhar em escritórios de terceiros para desviar clientes daquele escritório.

Volto ao ponto: isso é de uma falta de caráter ímpar. Boa sorte ao cliente que contrata esse tipo de profissional. Não reclame, tampouco chore, quando ele receber vantagem indevida para afrouxar na sua defesa, ou algo assim ajaezado.

Já cometi erros na Advocacia. Claro que sim. Esse, o de roubar clientes de colegas..., não está entre eles. Sim, digo roubar porque Advogados que aceitam esse tipo de causa, salvo raras exceções, são ladrões. Normalmente eles criam uma história em suas cabeças para justificar suas canalhices, mas, tenho sérias dúvidas sobre como conseguem se olhar no espelho.

O que podemos fazer. Olha amigos, sinceramente, já passei da fase da vida onde tento convencer os outros a fazer ou deixar de fazer algo. O que eu sei é que eu, Paulo Antonio Papini, simplesmente me recuso a aceitar uma ação que teve outro causídico antes. Salvo a hipótese de conversar com esse anterior defensor e ele me disser que não há problema.

Uma vez um advogado (com minúscula mesmo) roubou um cliente meu, na verdade deu tudo errado - para ele - pois ajuizei ações de cobrança de honorários e recebi 100% dos valores que me eram devidos, acrescidos de sucumbência.

Em dado momento, numa audiência, perguntei a ele como conseguia fazer aquilo e dormir de noite. Sua resposta, bem cínica, foi a de que o cliente renunciou o mandato antes de falar com ele [sei, e Papai Noel existe] e que se ele não aceitasse a causa, outro o faria.

Desculpem-me pela grosseria da comparação, amigos, mas esse é o mesmo argumento de quem participa de um estupro coletivo ou de um saque a um supermercado.

Com efeito, o certo é o certo ainda que ninguém esteja fazendo; e o errado é o errado, ainda que todos estejam fazendo. Infelizmente vivemos numa sociedade [e a Advocacia é apenas reflexo disso] onde as pessoas não sabem a diferença da palavra "comum" para "normal".

(Idem velle idem nolle, hoje cada vez mais tenho a felicidade de me cercar profissionalmente de pessoas que, graças a Deus, repudiam tanto quanto eu esse tipo de postura abjeta.)

10 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Passei por isso recentemente, é revoltante. Excelente artigo Dr. Paulo. continuar lendo

Todos nós já passamos por isso em algum momento de nossas vidas. Agora, digo uma coisa, por trás de todo cliente que revoga injustamente um mandato, existe uma relação quase simbiótica com um Colega (Colega não, um marginal que - por coincidência - tem uma Carteirinha Vermelha da OAB) que fica a envenenar a relação do Advogado com o cliente. continuar lendo

Rs, passei por isso também, mas, o pior, é que... o cliente ao ser executado pelos honorários, seu novel "expert" ainda pensa que estou "enciumado" porque ele pegou o contrato, na realidade, me fez um grande favor, porque há o advogado sem escrúpulos, e, geralmente, encontra clientes à sua altura... quem quiser um modelo de contrato que pensei, e elaborei à dedo e horas de estudo, onde, há previsão para "sacanagens" desse tipo, e outras mais, entre em contato que nada cobro dos meus colegas... continuar lendo

se não for pedir muito, vou querer colega. pauloantoniopapini@gmail.com continuar lendo

Caro colega, se possível, me enviei seu contrato para poder me blindar desse tipo de atitudes. contato@victordiniz.adv.br

Desde já, agradeço! continuar lendo

Enviarei sim, Victor. Sem problemas. continuar lendo

Desde já agradecido pela gentileza! navdessouza@hotmail.com continuar lendo

Excelente continuar lendo

Sou recém formado e estou passando por isto na minha primeira grande causa. Bem, legem habemus né? continuar lendo

Defenda seu honorários, Colega. Não deixe barato não. Querendo me procure, ok. continuar lendo